sexta-feira, agosto 11, 2006


Não há nada pior do que começar o dia a ouvir más noticias. Então quando esse dia coincide com a data do nosso aniversário... ainda pior. Foi o que me aconteceu ontem - dia 10 de Agosto - data em que comemorei os meus recem-chegados 29 anos.
Passei a meia-noite do dia 9 para o dia 10 com alguns dos meus amigos mais queridos, pessoas que me ajudam a estar bem, a crescer, a aprender... a viver.
Foi uma noite calma, de muita conversa, onde constatei realmente que o que de mais importante o mundo tem para nos oferecer são os amigos. Carinho, ajuda, compreensão, abraços e beijos.
Cheguei a casa feliz.
Dia 10 acordo com aquela sensação anual (normalmente sempre do dia 10 de cada Agosto de cada ano) de que "este ano é que vai ser... tudo vai mudar... agora é que isto leva um rumo...". Sensação esta que se vai esmorecendo ao longo dos dias que passam, renovável depois por mais 6 meses quando chega a passagem de ano. E assim se vive de ilusões semestrais.
Mas este ano foi tudo diferente. Acordo, ligo o rádio... tragédia. Mais ameaças de atentados, pavor em aeroportos, não sei quantos aviões que podiam ou iriam explodir em pleno vôo, sabe-se lá porquê, sabe-se lá com quem lá dentro e sobre a cabeça de quem iriam cair os destroços.
Pronto... assim se mata num minuto o que devia durar um semestre... os meus 6 meses de ilusão... explodiram sem levantar vôo.
Que fiz eu? Aconcheguei a almofada, virei-me para o outro lado, Mercedes Sosa em volume máximo... E eis que me é restituido um trimestre à ilusão da vida com esta letra magnifica, na sua voz magnifica:

GRACIAS A LA VIDA

Gracias a la vida que me ha dado tanto

Me dio dos luceros que cuando los abro

Perfecto distingo lo negro del blanco

Y en el alto cielo su fondo estrellado

Y en las multitudes el hombre que yo amo.



Gracias a la vida que me ha dado tanto

Me ha dado el sonido y el abecedario

Con el las palabras que pienso y declaro

Madre, amigo, hermano y luz alumbrando,

La ruta del alma del que estoy amando



Gracias a la vida que me ha dado tanto

Me ha dado la marcha de mis pies cansados

Con ellos anduve ciudades y charcos

Playas y desiertos, montañas y llanos

Y la casa tuya, tu calle y tu patio.



Gracias a la vida que me ha dado tanto

Me dio el corazon que agita su marco

Cuando miro el fruto del cerebro humano

Cuando miro el bueno tan lejos del malo

Cuando miro el fondo de tus ojos claros.



Gracias a la vida que me ha dado tanto

Me ha dado la risa y me ha dado el llanto

Asi yo distingo dicha de quebranto

Los dos materiales que forman mi canto

Y el canto de ustedes que es el mismo canto

Y el canto de todos que es mi propio canto.

2 comentários:

wild disse...

será que a esperança que tudo vai mudar é verdadeira ou já nao passa de uma mera habituação, aquilo a que chamamos rotina, a vontade que temos de mudar ou de tornar as coisas diferentes...mas é tao dificil, dá tanto trabalho, que fica para a proxima

Luís disse...

Embora com um mês de atraso, deixo os meus parabéns, sinceros.
Mudar, traçar novos rumos, fazer novas escolhas... Tudo isso, como uma intenção firme, é bom e é útil, motiva-nos, traz-nos objectivos, mas... melhor do que isso é viver... viver...

Um abraço

Luís