quinta-feira, junho 01, 2006

Os Amigos, Camilo Castelo Branco


A Rabeca, 15 de Outubro de 1933, Ano XVIII, Editor João D. Casaca, Tipografia Casaca, Portalegre


OS AMIGOS

Amigos, cento e dez, ou talvez mais
Eu já contei. Vaidades que sentia:
Supuz que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais!

Amigos, cento e dez, tão serviçais,
Tão zelosos das leis da cortezia,
Que, já farto de os ver, me escapulia
Ás suas curvaturas vertebrais.

Um dia adoeci profundamente:
Ceguei. Dos cento e dez, houve um somente
Que não desfez os laços quasi rotos.

“Que vamos nós – diziam – lá fazer?
Se ele está cego, não nos póde ver!...”
Que cento e nove impávidos marotos.

CAMILO CASTELO BRANCO

2 comentários:

Arnaldoooooo disse...

Um comment sério....Camilo Castelo Branco, é um dos meus escritores favoritos...

E os amigos estão lá....Sempre

jcm disse...

Interesante... Vou visitar sempre.
Experimente ir todos os dias a
http://lisboalisboa. blogspot.com