sexta-feira, março 30, 2007

MARIA CALLAS EM LISBOA E O ESCÂNDALO NA ÓPERA DE ROMA

(clique na imagem para ler artigo)
(clique na imagem para aumentar contra-capa)

A passagem de uma grande cantora por Lisboa

Maria callas foi, talvez, a artista de quem recentemente pior se falou em todo o mundo, em repercussão da sua atitude no Teatro da Opéra de Roma.

Esperava-se com natural ansiedade a vinda da genial cantora ao nossa País, para se constatar se, de facto, Maria Callas mereceria tudo aquilo que lhe foi chamado: incorrecta, agressiva, mal educada. A crítica foi, porém, unânime em declarar que a artista é pura e simplesmente extraordinária, e não fez sequer alusão aos terríveis defeitos que lhe foram atribuídos.

Efectivamente, Maria Callas revelou-se interessante, elegantíssima, de lindos olhos e perfeitíssimos dentes, e... amável.

O seu sucesso no teatro S. Carlos foi tão estrondoso, como o foi o escandâlo que estalou em Roma, quando a cantora se recusou a cantar o final da ópera "Norma" de Bellini. E se bem que o assunto fosse delicadíssimo, Maria Callas não hesitou abordá-lo e a dar gentilmente as explicações que o público necessitava para poder continuar a acreditar nela.

Assim, a insigne artista declarou que não guarda rancor, nem aos jornalistas nem mesmo àqueles que a insultaram, sob a janela do quarto de hotel onde se encontrava hospedada. Apenas lamenta profundamente que Sampaoli, o director artístico do teatro de Roma, não a tivesse querido substituir, como Maria Callas desejava, em virtude de se não encontrar bem de saúde.

Coagida pelos seus deveres e animada por umas momentâneas melhoras, a artista acabou por cantar, tendo notado imediatamente a péssima forma em que se achava. Os aplausos que recebeu irritaram-na, porque sentiu que não eram merecidos, e a segunda ária que cantou veio confirmar a sua apreensão: a sua voz diminuira consideràvelmente e estava incapacitada de prosseguir.

As palmas que ouviu, enquanto se dirigia ao seu camarim, soaram dolorosamente aos seus ouvidos, e a sua indignação começou quando todos aqueles que a rodeavam pretenderam exigir que cantasse... de qualquer forma.

Então, deu-se qualquer coisa de difícil de explicar embora muito fácil de comprrender. Maria Callas que não preza ùnicamente a sua reputação, lembrou-se do respeito que a sua arte e até o nome do autor da "Norma" lhe mereciam e recusou-se terminantemente continuar o espectáculo.

Parece-nos que àquilo que se chamou o escândalo da Callas, se deveria chamar, com mais razão, o drama da Callas.

Por Lisboa, passou Maria Callas, deixando um rasto da sua arte, que só muito tempo poderá fazer esquecer. O resto é lamentável, mas lamentável principalmente pelo muito que a feriu.

Crónica Feminina, nº 73, 14-04-1958"

1 comentário:

Pedro disse...

Brava!